Rio de Janeiro sedia o maior Hackathon da América Latina

Mais de 700 hackers, 190 mentores, 42 horas de programação, 5.500 fatias de pizza (valeu, Domino’s!), 1.860 sandubas, 5.760 garrafinhas de água, mais de 300 profissionais envolvidos e muita diversão! Assim foi o hackathon do Hacking.Rio em números, porque a emoção de fazer parte do maior hackathon da América Latina é impossível traduzir em palavras. O evento foi realizado entre os dias 27 e 29 de julho, no o edifício Aqwa Corporate, no Porto Maravilha, um dos símbolos de inovação do Rio de Janeiro.

Nos últimos momentos do Hacking.Rio, a idealizadora Lindália Sofia anunciou para a plateia: “Era pra gente ser o maior do Brasil, mas a gente conseguiu ser o maior da América Latina!”

Na foto ao lado, Renata Salvini e Lindália Sofia – responsáveis pela realização do Hacking.Rio

Bernard de Luna, Guga Alves e Luiz Felipe Grossi foram os facilitadores do Hackathon. Virados os três dias para acompanhar o trabalho dos times, eles foram as pessoas que deram apoio e organizaram a rotina dos hackers com ativações de manhã.

“A gente estimulava de tempos em tempos para que eles se levantassem, esticassem o corpo e praticassem um pouco de ginástica laboral, além de cuidar da alimentação e hidratação. A galera que vem para esse tipo de competição fica muito focada e isso é bom, mas eles precisam se manter saudáveis também”, disse De Luna. “Além disso, montamos um lounge de descompressão com games, ping-pong e totó, além das espreguiçadeiras da Klabin e um lounge oferecido pela Spaces. Eles curtiram bem o espaço”, completou Grossi.

 

GARRA E DETERMINAÇÃO

Criatividade e dedicação moveram essa galera até o último minuto! No domingo, os hackers, tiveram suas últimas horas para mostrar os trabalhos. Garantiram boas apresentações para os mentores técnicos, que fizeram a primeira avaliação. Em seguida, vieram os mentores especialistas, que avaliaram por outro viés. Com as notas somadas, foram anunciados os finalistas gerais de cada cluster, que fizeram uma nova apresentação para toda a equipe de mentores e, assim, foi definido o finalista de cada cluster.

Com a plateia cheia, os finalistas foram para o palco principal – onde ocorreram as palestras do RioSummit -, e apresentaram seus pitchs para os jurados. Os 15 finalistas tiveram três minutos para mostrarem suas ideias. Todos ficaram muito impressionados com os protótipos e visão de negócio, além do ineditismo de alguns dos projetos que usaram não só app, mas outros tipos de tecnologia, como o IOT.

Antes da divulgação do time vencedor do Hackathon, o ator e comediante Marcelo Zangrandi foi chamado ao palco para falar da sua experiência também como investidor.

CODE LIKE A GIRL

O time vencedor foi do cluster Educação com o projeto FocaAí, uma ferramenta que possibilita uma avaliação mais precisa sobre o aprendizado do ensino à distância, por meio de uma análise do reconhecimento de emoções via mapeamento facial do aluno, ao longo de uma aula online.

O time chamado Full Starks era formado por Laurence Alves Pereira, Pamela Iupi Peixinho, Maria Daniela Leite de Souza, Leticia Silvério Moreira e Phillipe Moreira. Num cenário de 700 hackers em que 70% era composto pelo sexo masculino, um grupo majoritariamente feminino ganhar trouxe uma inspiração a mais para outras meninas que querem entrar nesse universo e ficam com pé atrás, não é mesmo? #GoGirls!

Parabéns a todos os participantes pela dedicação, bom humor e competitividade saudável! Este deve ser o espírito de todo hackathon e queremos ver vocês no ano que vem! Preparem-se!

CURTA E COMPARTILHE O NOSSO ÁLBUM DE FOTOS NO FACEBOOK!

CONHEÇA OS OUTROS PROJETOS FINALISTAS:

 

Economia Criativa: Rebuy

Plataforma para precificar, vender ou doar ativos eletrônicos em desuso, contribuindo para prolongar a vida útil dos eletrônicos, estimulando o mercado de second hand e oferecendo uma opção fácil para o descarte correto.

Energia: Ez Energy

Ez Energy é uma plataforma de análise de dados, alimentada por um Chat Bot, que mapeia e registra as principais área de risco de choque elétrico.

Esporte: Atlex

O Atlex é um aplicativo móvel em formato PWA (Progressive Web App) voltado para crianças, adolescentes e jovens adultos com o objetivo de unir cultura e hábito esportivo em um só lugar. Basta você ter um smartphone com acesso à internet. Apresenta como funcionalidades: atividade individual, coletiva, quiz e uma área de recompensa.

Finanças e Seguros: Eduu

A ideia é a criação de um aplicativo que transforme a forma de dar mesada (ou semanada) através de um sistema de recompensas. Todo pai ou responsável têm o desejo de que seu filho ou dependente conquiste sempre o melhor. Para tal, é fundamental incentivar os estudos.

Jogos e VR: Iná

Através da mecânica principal, o game busca dar visibilidade para a problemática da precariedade da iluminação em vias públicas. Para além disso, fomenta a reflexão sobre identidade, território e memória através da contextualização dos becos e vielas das comunidades retratadas em cada fase.

Jurídico: My!dea

A My!dea é uma rede de confiança feita em Blockchain que permite o registro de obras intelectuais de forma ágil, segura e sem burocracias. Utilizamos a tecnologia do Blockchain da Ethereum para garantir a validade das obras depositadas. Todo o processo é simples e facilitado pois depende apenas do preenchimento de um formulário que opera as transações na rede.

Saúde: Nano

O projeto busca solucionar um problema que esconde um grande impacto social: O atraso nas filas do SUS para obtenção de medicamentos. A ineficiência no processo de gestão e controle dos medicamentos, além da desinformação dos farmacêuticos em relação ao seu estoque, faz com que milhares de brasileiros fiquem horas nas filas, correndo o risco de não obtê-los no final do dia.

Economia Compartilhada OLX: Arranjaê

Arranjaê é o local que conecta pessoas e itens para aluguel. Você lista itens que gostaria de alugar, e busca aqueles que precisa. Encontrando pessoas que fazem parte do seu círculo por proximidade ou região. Fazer uma graninha extra é sempre bom. Fazer isso ajudando outras pessoas e ganhando um extra é melhor ainda! Alguém pode precisar daquele item parado em casa.

Tecnologia Top Trends 2018: Check.In

Para validar uma pessoa física, geralmente, as instituições financeiras optam por receber um documento com foto oficial e solicitam ao usuário que tirem uma foto para garantir que aquele pedido esteja sendo submetido pelo usuário daquele CPF. Para validar um CNPJ o problema acontece, porque o mesmo método citado não se aplica. Contudo, ao avaliarmos o processo presencial, notamos que a autenticidade do solicitante de uma determinada requisição é validada através da conferência da relação entre o CNPJ e o CPF solicitante, que também é dada pela validação visual daquele usuário.

Turismo: Game AquaRio

O desafio neste hackathon é trazer uma experiência interativa que gere uma conexão única entre os visitantes e o AquaRio. Focados no grande público de famílias e crianças de até 12 anos que visitam o espaço, foi apresentado um game baseado em realidade aumentada. No tour, o visitante poderá utilizar o app para identificar espécies nos aquários, ter mais informações sobre cada uma delas e adicioná-las em seu próprio aquário virtual. Quanto mais espécies colecionar, maiores as chances de se tornar o maior especialista do AquaRio!

Segurança e Defesa: Produto Legal

Esse projeto foi elaborado para permitir que a indústria passe a identificar os  produtos produzidos  com um código único no formato QRCODE, com o objetivo de criar uma rastreabilidade tanto pelo consumidor final como pelas autoridades.

Indústria e Clean Tech: Trash Trackers

Trash Trackers é um projeto que visa monitorar e garantir que resíduos industriais cheguem ao destino correto integrando hardware, software e web application (IoT e SaaS). Esse é um problema central no manejo de subprodutos da indústria, cuja responsabilidade é compartilhada com a transportadora.

Alimentação: Grano

Grano é uma solução para resolver um dos maiores problemas da agroindústria, avaliação de grãos. Utilizando o aplicativo para celular e a case que inventamos, conseguimos através de análise de imagem classificar os grãos de forma: mais rápida | mais barata | portátil | simplificada | acessível

Mobilidade Urbana: GoWork

Ser o melhor benefício que a empresa pode oferecer para o funcionário. O GoWork é uma plataforma que melhora o deslocamento de pessoas no trajeto casa-trabalho, trabalho-casa. A plataforma integra empresas, funcionário e transporte. O GoWork permite à empresa cadastrar seus funcionários na plataforma marcando seus endereços. O sistema irá calcular as melhores rotas para atender aos funcionários nos seus destinos.

Compartilhar

Leave a Comment

Your Name *
Email *
Website
Comment